Train spotting: Marchar-Manchar

trainspotting-now-then-1

Train spotting:  Marchar- Manchar

Sem Limites, como o traduziram para português, é um filme de cenas tão chocantes que chegam a ser cómicas, e de tragédias e fragilidades humanas que nos seguram na cadeira.
Preciosa obra da cinematografia britânica, que nos habitua a um certo nível de independência e qualidade, feito a partir de um romance homónimo de Irvine Welsh.

Nesta história, quatro amigos tentam sobreviver apesar da depressão económica, da falta de trabalho e da sua adição à heroína. Danny Boyle faz nesta história uma crítica aberta ao consumismo, à superficialidade dos tempos modernos e cria-nos sempre um limbo entre a vida comum, cómoda à rebelião. De que forma seremos mais felizes?
Fica uma das músicas da fabulosa trilha sonora – Lou reed perfect day

marchar | v. intr.
marchar – Conjugar
(francês marcher, andar a pé)

v. intr.
1. Fazer marcha; percorrer a pé. = ANDAR, CAMINHAR
2. Pôr-se a caminho ou ir embora.
3. Prosseguir, continuar.
4. [Informal] Morrer.
5. [Informal] Ser bem-vindo; calhar bem (ex.: uma sandes já marchava).

Fonte -http://www.priberam.pt/DLPO/default.aspx?pal=marchar

Texto: Catarina Mota

TRAINSPOTTING (1996)
Danny Boyle
Cinema no Sofá
16 Abr. (Ter.) | 22h | entrada livre […]